Educação

Referência em Educação

 

O Mandato Brasília Sustentável está trabalhando com dedicação e paixão, de forma coletiva e colaborativa, para que o Distrito Federal seja uma referência em educação. Para isso contamos com todos os que acreditam que a verdadeira revolução só será feita por meio da Educação cidadã e libertadora!

Neste contexto e com o intuito de contribuir para a melhoria do sistema educacional realizamos algumas ações que merecem ser destacadas.

Leis

Entre os anos de 2012 e 2017 conseguimos a aprovação de algumas leis de nossa autoria que têm como foco a educação, a exemplo da Lei nº 5.146/2013 que estabelece diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas, da Lei nº 5.382/2014, que prioriza o atendimento na educação básica aos estudantes com deficiência e da Lei nº 5.819/2017 que torna obrigatória a publicação periódica do cardápio da merenda escolar em todas as unidades de ensino do DF com 30 dias de antecedência de seu fornecimento.

Construção colaborativa de propostas para a gestão da educação no DF

Com o intuito de contribuir para melhoria do sistema educacional do DF atuamos em conjunto com um grupo de professores e gestores de diversos segmentos para a construção de propostas colaborativas para a gestão da educação no DF. As propostas foram organizadas em um documento que foi entregue em 201x ao Governador, ao Secretário de Educação a ao Senador Cristovam Buarque.

Conheça o resultado dessa construção colaborativa:

PROPOSTAS

  • Elaborar o cronograma de desembolso do PDAF, dando condições de autonomia para as escolas planejarem e executarem seus gastos de acordo com a liberação do recurso.
  • A partir da organização do PDAF, será possível discutir e repensar a estrutura das Subsecretarias e das CREs, tornando-as mais resolutivas através de ações fundamentais na gestão de resultados com o propósito de dar suporte integral às escolas a partir da organicidade e produtividade.
  • Estreitar a relação das CREs com os órgãos do Governo de Brasília, possibilitando a solução dos problemas das escolas, evitando a burocracia e liberando o diretor para que ele possa se dedicar às questões internas da sua unidade de ensino.
  • Planejar e preparar toda a rede de ensino em ações integradas das subsecretarias quanto à oferta e demanda para o próximo ano letivo, buscando alcançar melhores resultados e consequentemente o atendimento de qualidade.
  • Discutir e reavaliar a Lei de Gestão Democrática. Lei da Gestão Compartilhada de 2007 foi substituída em 2012 pela Gestão Democrática.
  • Realizar reuniões com a gestão central da Secretaria de Educação:
    • Uma por semestre entre o Secretário de Educação, sua assessoria e os diretores das escolas, para que os gestores participem semestralmente da avaliação de metas anuais de SEDF, atualmente os gestores apenas são informados e não participam do processo.
    • Bimestrais com o coordenador da CRE. Reuniões resolutivas com a pauta previamente acordada entre os gestores das escolas, de acordo com as demandas apresentadas na reunião anterior
  • Dar autonomia sobre o uso do espaço físico da escola, possibilitando a utilização de dependências externas como estacionamentos e pátios, com a devida anuência do Conselho Escolar, visando um retorno financeiro com prestação de contas via APM.
  • Buscar apoio do empresariado e de outros interessados, nas iniciativas que proporcionem a melhoria da educação. Sugerimos a criação de um setor para a captação dos parceiros, de modo que o diretor possa permanecer na escola dedicado a atividade fim.
  • Regulamentar atividades para serem realizadas no turno contrário ao das aulas, como cursos de pequena e média duração certificados e em parceira com instituições como a FIBRA/Fecomércio e Sistema S, seriam possibilidades motivadoras para os estudantes das séries finais do ensino fundamental e do ensino médio.
  • Valorizar o cargo de Diretor e Vice Diretor, quando o GDF tiver condições, melhorar o valor financeiro, reconhecendo estes profissionais como o alavancador efetivo das políticas públicas.
  • Implantar o sistema de avaliação de desempenho das escolas, estabelecendo regras para auto-avaliação, possibilitando a análise de melhoria das unidades de ensino. Essa avaliação nortearia o desempenho das escolas para a prova Brasil e para o ENEM.
  • Estabelecer uma avaliação institucional para que as direções e a comunidade escolar avaliem o trabalho das Coordenações Regionais de Ensino.
  • Estabelecer uma avaliação institucional do professor pela comunidade escolar, com o aval do Conselho Escolar.

Realização de oficinas de redação para o ENEM

O Mandato realizou em 2015, em parceria com a FIBRA,  doze oficinas de redação para o Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM), atendendo mais de x alunos do ensino médio da rede pública.

Escolas atendidas: 

  • Centro de Ensino Médio Setor Leste
  • Centro Educacional da Asa Norte
  • Centro de Ensino Médio Paulo Freire (CEM Paulo Freire)
  • Centro de Ensino Fundamental 02 de Planaltina - CEF 02
  • Centro de Ensino Fundamental II Gesner Teixeira
  • Centro de Ensino Médio 01 do Gama (CEM 01)
  • Centro de Ensino Médio 02 do Gama (CEM 02)
  • Centro de Ensino Médio do Gama (CEM 03)
  • Centro Educacional CED 07 do Gama
  • Centro de Ensino Fundamental 08 do Gama
  • Centro Educacional Engenho das Lajes (CED Engenho das Lajes)
  • Centro Educacional Casa Grande (CED CG)
  • Centro de Ensino Médio Integrado (CEMI)

Apoio financeiro para melhoria da infraestrutura de unidades de ensino

O Mandato Brasília Sustentável em apoio à melhoria da infraestrutura das unidades de ensino destinou mais de R$ xxxx, nos anos de 2015 à 2017, em emenda parlamentar.
2015: 1.200.000
2016: 2.430.000
2017: 

 

Última modificação em Segunda, 07 Agosto 2017 13:07